TEOLOGIA

PARA O DIA-A-DIA

18 de agosto de 2016

12:24


Quando se pensa em aconselhamento, prontamente o lado direito do nosso cérebro ativa a parte imaginatividade, desta forma, imagina-se um daqueles momentos informais, em que o indivíduo está com  problema e vai até outro para consultar a sua “opinião”,para alguns, este tipo de ocasião é denominada 'aconselhamento; para outros, a imagem de uma sala, hora marcada e pessoas dotadas de intelectualidade. 
Mas se pensarmos nas duas situações como complementares? 
Pois creio que o aconselhamento bíblico pode ser descrito como discipulado em profundidade, pois o mesmo abrange todos os aspectos da particularidade de vida de cada indivíduo. 
Nessa conformidade engloba o ato de evangelizar, batizar, ensinar, admoestar, instruir, confrontar, encorajar, restaurar, fortalecer, reprovar, fortalecer, e exortar outros para seguir um padrão bíblico de vida¹.

A passagem bíblica, " sermão da montanha", relata o fato de que Jesus estava no monte instruindo os seus discípulos, mas também pode-se dizer que ele estava os discipulando com palavras divinas. Desta forma, o aconselhamento não pode ser uma entidade separada do discipulado².

Os chamando para para segui-lo de todo o coração, e isso era visível; pois aqueles cujo o mestre chamara, abandonavam a vida que levavam para estar com Jesus. O mestre deixa claro aos candidatos a discípulo que segui-lo lhe custaria algo (Mt 8.19-22), e naturalmente achavam o preço alto demais, pois não há sinal de que se tornaram discípulos. 
Ele deixou bastante esclarecido que, quem quisesse segui-lo, haveria de tomar a sua cruz (metáfora muito clara da morte para o egocentrismo).
 O caminho de discipulado é de sacrifício pessoal, o mesmo não possui relação alguma como a "realização pessoal" (Mt 20. 20-22). Jesus exigia um vinculo pessoal que superava posses e até laços familiares (Mt 12.48-50)³.

O Senhor Jesus, naquele momento, estava fazendo uma sessão de aconselhamento. Por isso que  vemos certa informalidade, pois ele não estava em uma sinagoga, mas sua posição de estar sentado e o seus discípulos ao redor, naquela época formalidade, formalidade esta do que seria proferido pelo Mestre. 
Se você quiser ser um conselheiro bíblico, seus conselhos não podem se restringir  apenas a momentos, salvo algumas exceções.(4)
Destarte, ressalvo a importância da existência de momentos formais e informais, mas o mais importante é o vínculo, pois foi assim que o Senhor Jesus fez. 
por André Reis

____________________________________
1. Manual para o ministério de discipulado/aconselhamento bíblico. Bílbical Counseling Foundation. p.15. 
2. Treinamento em aconselhamento. 1 
3. MORRIS, Leon. Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2003. p 163-164. 
4. Casos como um irmão distante ou uma pessoa que você mal conhece. Seu contato com elas talvez não possa ser tão pessoal quanto um discipulado, mas e bíblia deve ser apontada para a solução do questionamento dela.