Uma fé implicante

Uma fé implicante
19 de julho de 2016

08:00
Ao estarmos comprometidas com Deus, diretamente nos comprometemos com a Sua Palavra, afinal, ela é uma revelação especial e sobrenatural de quem é Deus, por ela tomamos o conhecimento de quem nós somos, da nossa necessidade e de como Deus resgata-nos. A Bíblia sempre revelará a nossa natureza e a magnificiência de Deus. Logo, um compromisso com Deus exige um compromisso com a Sua Palavra.

As Escrituras é uma das formas de Deus se comunicar com seus filhos, mas infelizmente, na época pós moderna a Escrita já não é vista como um meio de comunicação. Franklin Ferreira, em seu livro de Teologia Sistemática em parceiria com Alan Myatt, disse:
A comunicação não é concebida como algo que ocorre principalmente por meio de ideias racionais, transmitidas através de enunciados. As imagens, em vez das palavras, são o meio de comunicação do século XXI. E essas imagens são efêmeras, aparecem na tela durante uns poucos segundos, antes de serem substituídas por algo mais interessante, enquanto as pessoas navegam com rapidez de um site para outro na internet. O impacto da comunicação na mídia atual não mais se baseia na solidez de palavras que são escritas uma vez para sempre, mas sim em textos e imagens rápidos, colocados em blogs ou manipulados pelas produções de TV e cinema. O alvo é criar uma experiência e manipular o comportamento das pessoas, seja por motivos políticos ou comerciais. O resultado é a fragmentação da realidade na percepção dos consumidores.

Ao depararmos com esse quadro a pergunta que fica é: “Qual tem sido o meu comprometimento com Palavra de Deus?”. Será que tenho a utilizado apenas em reuniões bíblicas? Ou a utilizado em citações nas mais diversas redes sociais? Ou ainda, tenho lido, tenho estudado, mas não tenho praticado?

Em Josué 1:7-8, diz: “Tão somente sê forte e mui corajoso para teres cuidado de fazer segundo toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvieis, nem para direita, nem para a esquerda para que sejas bem sucedido por onde quer que andares. Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido”. Sabemos que o primeiro capítulo de Josué, nos relata o início da liderança de Josué para com o povo, logo após a morte de Moisés. Dentre os muitos conselhos que ele poderia receber, o Senhor o anima a apegar-se a Sua Palavra, ali ele encontraria conselhos, refrigério, exortações e tudo quanto mais necessitasse, pois Deus se revela em sua Palavra. Ele deveria conhecer, meditar dia e noite, não se desviar, falar sem cessar do que nela está e praticar. Apesar de serem palavras dirigidas, primeiramente, a Josué, aqui encontramos um princípio central de um esforço para um conhecimento profundo que não se limitou a uma época.

Temos livre acesso as Escrituras, salvo os países onde cristãos sofrem perseguição, não temos desculpas para não ter uma Bíblia. Até encontramos com as mais diversas capas, nomes e facilitações de tradução (o que devemos ter cuidado para não estarmos lendo uma paráfrase, que muitas vezes tiram o real sentido do texto). Então, o que falta para realmente nos comprometermos em meditar nela dia e noite, não cessarmos de falar deste Livro, dela não nos desviarmos e cuidarmos de fazer segundo tudo quanto nela está escrito? Agostinho de Hipona certa vez escreveu, “a fé cambaleará se a autoridade das Escrituras vacilar”, não subestime o poder e autoridade que a Palavra de Deus tem. Apegue-se as Escrituras, comprometa-se!

Temos que tomar uma decisão, racional, lembre-se que um compromisso com Deus exige um compromisso com a Sua Palavra. Quer saber mais sobre bibliologia? A série Bíblia: um livro humano ou divino? É uma ótima oportunidade.

___________________________________
1.       FERREIRA, Franklin – Teologia sistemática: uma análise história, bíblica, e apologética para o contexto atual – São Paulo: Vida Nova, 2007. Pg.86
2.       A doutrina cristã 1.37, 41b

por Gabi Rocha

Comente com o Facebook: