TEOLOGIA

PARA O DIA-A-DIA

11 de julho de 2016

15:34

A vida cristã tem início no novo nascimento, que dá ao homem um novo relacionamento com Deus e uma nova família, a igreja. Essa nova vida traz implicações para o dia a dia do homem, por exemplo: culto, adoração, evangelismo, serviço, comunhão, oração, leitura da Palavra, etc. Tais práticas não tornam ninguém um cristão, mas a ausência delas na vida de um cristão certamente lhe faz enfraquecer e definhar em seu relacionamento com Deus (cf. 1Co 12.12ss; Ef 4.7-16).

Creio que não seja necessário argumentar muito sobre esse ponto, pois qualquer crente que tenha um pouco de conhecimento da vontade de Deus, expressa nas Escrituras, concordará. Porém, algo que talvez não seja tão claro para alguns é que não é somente a ausência de tais práticas que prejudicam a vida do crente, mas também uma visão e postura errada diante delas.

Assim, listo abaixo alguns pensamentos e atitudes que podem minar a vida cristã, tornando-a seca, estéril, fria, mundana e/ou escarnecedora. São 10 decisões para uma vida cristã medíocre - tanto no relacionamento com Deus, quanto com a igreja, e medíocre na prática das implicações da nova vida em Cristo.

1.      Confunda naturalidade com irreverência e vulgaridade. Assim, você pode tratar o culto como um momento qualquer, tão especial quanto assistir a um filme em sua casa. Então, em nome de uma postura mais natural (contra aquele antigo estilo homilético e litúrgico enfadonhos) o culto em comunidade se torna algo vulgar, comum, sem temor e tremor, desinteressante e quase desnecessário. A presença de Deus entre Seu povo é ignorada e isso se notará na postura dos crentes – que realmente acreditarão que são muito mais sábios e contextualizados.

2.      Transforme conteúdos sérios de adoração em piadas cheias de trejeitos-gospel e/ou sarcasmo. Use expressões como “aleluia”, “amém”, “glória a Deus”, “em nome de Jesus”, “graça”, “pecado”, etc, de modo cético, sarcástico, [quase] pecaminoso, mas engraçado – pois o humor pode tornar o erro algo mais aceitável a todos. Faça imitações bem debochadas com músicas sérias e bíblicas. Isso ajudará boa parte da igreja a criar barreiras emocionais e intelectuais na adoração, pois será difícil levar a sério aquilo que antes era motivo de piada (Ex.: “para nossa alegria” - que tal cantar essa música no próximo domingo em sua igreja?).

3.      Limite a comunhão cristã a um entretenimento gospel e a boas risadas entre crentes. Para isso será necessário ignorar que comunhão está diretamente ligada à “cooperação” e “parceria” (Fp 1.5). Assim, qualquer refeição com uma conversa agradável e descontraída poderá ser vista como a plenitude da comunhão entre irmãos, o que pode limitar o crescimento nessa área. Afaste-se de qualquer igreja que lhe faça cultivar relacionamentos profundos e relevantes, que lhe façam praticar o perdão e o serviço, pois sua mediocridade ficaria consideravelmente ameaçada.

4.      Ore, cante e participe da Ceia de forma automática e religiosa. Não tenha a devida alegria, gratidão e reflexão que tal momento exige, pois isso pode promover bênção, edificação e crescimento (cf. 1Co 10.16 e 11.17-34).

5.      Compreenda que evangelismo e ação social são sinônimos. Assim, o evangelismo em sua vida cristã será bem deficiente. Mas não se esqueça de ignorar a falta de base bíblica para tal pensamento. Creia apenas que isso é viver o evangelismo de modo pleno, mesmo que seu alvo evangelístico não chegue a entender nada sobre a cruz de Cristo.

6.      Creia que você só pode evangelizar se sua igreja promover algum programa do tipo "dia do evangelismo". Caso ela não o faça, procure o irmão mais próximo para criticar a liderança da igreja, tendo o cuidado de que ela não descubra, claro.

7.      Considere que disciplinas espirituais de devoção diária são puro farisaísmo. Você não precisa delas, afinal, Deus é espírito e você “se conecta” com Ele em seu espírito (seja lá o que isso signifique).

8.      Vá à igreja como espectador ou como um mero crítico de música e homilética, não como adorador. Imaginar-se como alguém à parte do corpo e auto suficiente promove com eficácia a mediocridade na adoração. E esqueça de João 4.23.

9.      Esteja certo de que toda repreensão quanto à sua conduta é um ataque que visa sua ruína e merece retaliação. Não dê brechas para que isso aconteça. Você não pode correr o risco de progredir e tornar-se mais sábio! (Pv 5.13,14; 19.20; 23.9)

10.  Estude muita teologia, mas jamais permita que esse estudo lhe conduza à humildade, adoração, amor e serviço. Use seu conhecimento apenas para status - para entrar em debates onde seu único objetivo será demonstrar a superioridade de seus argumentos. Negue que isso seja pecaminoso, afinal, é teologia, como poderia ser um ídolo do coração?

Seguindo esses conselhos você certamente fará parte do grande número de crentes que, embora possam ser verdadeiros filhos de Deus, salvos pela graça, abraçam uma religiosidade vazia e infrutífera. Vivem uma vida cristã árida e medíocre, que tende a piorar a menos que voltem a avaliar nas Escrituras quais as implicações de uma vida cristã saudável.

Yuri de Araújo Alves
Pastor Auxiliar da Igreja Batista Memorial em Serra Negra