TEOLOGIA

PARA O DIA-A-DIA

17 de março de 2015

18:07
A História
Vou contar a vocês a história de dois homens. Um deles era um cara muito fera, mostro em conhecimento, considerado um mestre em sua época, ele tinha uma fama razoável. Um dia passando em sua cidade, talvez tenha ido ver os parentes, encontrar com o pessoal, ele conheceu o “funcionário público”. Agora preste atenção nesse outro cara. Ele era funcionário público e naquela época e contexto (um povo colonizado por um outro império), ser funcionário público era como trair o seu povo. Então imagine você: funcionário público, uma identidade perdida e marginalizado pela sociedade. 

Então, o mestre da nossa história chegou ao funcionário público e disse: você quer fazer parte do meu grupo? Imagine o que passou pela cabeça desse cara. Não entendeu no inicio, pensou inicialmente que era uma piada. Mas o mestre não deu abertura para que ele pensasse isso. Ele puxou o cara de canto e o levou para sua casa para jogarem conversa fora, quis saber da vida dele e queria ajuda-lo.

Era surreal, aquele homem realmente se interessou por ele, queria tê-lo por perto, isso nunca aconteceu. Outros publicanos vieram, algumas prostitutas, não sei ao certo quantas, alguns homoxessuais também. E aquele mestre após escuta-los pode falar e ser ouvido. 

Mas sempre tem o grupo da oposição. Olharam para ele e disseram: – Como é que você se diz filho de Deus e anda com essas pessoas? Me diga com quem andas e eu te direi quem és Jesus! A resposta dele foi simples: Eu vim para trazer cura aos doentes, salvação aos perdidos. Está na hora de vocês deixarem de fazer teologia vazias e aprenderem que o meu Pai quer MISERICORDIA e não sacrifício (Mateus 9).


Uma dura verdade
Essa é uma história que tem se repetido com pouca frequência. Por medo que eu e você temos de nos “contaminar” é de uma visão de superioridade que muitas vezes nos impede de sentar na "mesa com pecadores". Deus é RICO EM MISERICORDIA e pelo seu grande amor que nos amou, nos deu vida, com Cristo, quando nós éramos ainda pecadores, "se toca", você é salvo pela graça (Ef 2.4-5). Jesus não sentou te chamou para mesa dEle porque você é bonzinho, mas porque você é um MISERÁVEL PECADOR. Jesus desenvolvia relacionamentos com propósito, não relacionamentos de colegial, mas carregados de MISERICÓRDIA. 


A solução
A solução para a hipocrisia e a vangloria é entender o que é Misericórdia. Então vamos lá: 

Misericórdia é a emoção que se desperta em contato com uma aflição que recai sobre outro, sem justa causa. É no novo testamento, o sentimento oposto a inveja. Aristóteles em sua Poética disse que a tragédia despertava a misericórdia e medo e que estes levam a purificação. É interessante observar também que na Septuaginta essa palavra é usada para traduzir Hesed, que representa o amor leal de Deus, trata da solidariedade que um Israelita deveria ter para com o outro. Por fim MISERICORDIA representa o irromper da misericórdia divina no Meio da realidade humana. Você foi salva pela MISERICÓRDIA de Deus e em Mateus 9 Jesus te convida a viver nessa pratica para com outros a sua volta.


Conclusão
O evangelho trata da restauração do relacionamento do homem com Deus, como falar disso sem se relacionar com as pessoas? Está na hora de desenvolvermos relacionamentos intencionais. Porque insistimos viver em um universo paralelo enquanto tem pessoas no nossa o lado com crises existenciais, com depressão, com problemas no lar, famílias destruídas. Está na hora de você chegar junto dessas pessoas, e convida-la a SENTAR NA SUA MESA. Fazer como Jesus, primeiro ganhar o direito de ser ouvido e então capacita-las a avaliar o mundo ao seu redor, dando significado a suas ações por meio de Cristo Jesus em um relacionamento intencional, carregado de MISERICÓRDIA.

MISERICÓRDIA não significar ignorar pecados e falhas, ou passar panos quentes, mas significa identificação, Cristo é nosso modelo, pois não temos um Sumo Sacerdote que se compadece de nós, se identificou com pessoas tão pequenas e finitas. A identificação nos ensina a falar a verdade em amor, a exortar para gerar reconciliação e não divisão.