TEOLOGIA

PARA O DIA-A-DIA

27 de março de 2015

17:00
Será possível ter alguma esperança na luta contra nossos pensamentos? No artigo passado (leia aqui), conversamos sobre o perigo de deixar nossa mente vagar sem controle. Seja imaginando o futuro, fantasiando como poderia ser o presente, ou se remoendo por dores do passado, o mundo de fantasias no qual facilmente entramos pode ser muito prejudicial para o nosso relacionamento com Deus. Quando os pensamentos não são avaliados nem filtrados, nossa natureza pecaminosa encontra brechas para transformá-los em frutos podres em nossas vidas. Acreditamos em mentiras sobre nós, deixamos de fazer tarefas com excelência por falta de concentração e perda de tempo, reclamamos mais do que agradecemos, ficamos ansiosas antes do tempo, pensamos o que é indecente e inapropriado e nos afundamos em ideias depressivas... E para completar a lista, ainda achamos que nunca seremos capazes de mudar! Ideia que, diante do Deus poderoso e transformador que temos, revela incredulidade. 


Através das respostas de vocês, pude confirmar que, assim como eu, muitas enfrentam essa mesma dificuldade com os pensamentos. Nós sabemos que eles não nos fazem bem, mas não sabemos como mudar! Nos esquecemos que A Lei do Senhor é um agente purificador. A Palavra de Deus é a única capaz de nos fazer dominar nossos pensamentos e apresentá-los dignos diante de Cristo. Por isso, na luta para renovar nossas mentes (Rm 12.1-2), quem nos dá a estratégia de vitória são as Escrituras: 

1. Lembre-se, você é livre em Cristo! 
Romanos 8.1-8 – Não há condenação para aqueles que estão em Cristo. Muitas vezes carregamos um sentimento de culpa e escravidão por não conseguirmos dominar nossos pensamentos. Esta não deve ser uma realidade na vida do cristão. O cristão é liberto em Cristo e sua mente não deve se sentir refém da falta de autocontrole. Depois que Deus se fez carne e pagou o sacrifício pelo pecado, podemos ter uma vida segundo o Espírito (mentalidade de vida e paz, v.5) e não segundo a carne (mentalidade de morte, v.6). Somos livres para viver com os meus pensamentos no Espírito, pois Deus nos fez livre para isso! 

2. Peça pra Deus sondar seus pensamentos. 
Salmo 26.2 – Neste Salmo, Davi pede para que Deus sonde o seu coração e a sua mente. De alguma forma, Davi sabia do perigo que rondava sua mente, e que ela também precisava estar à prova diante de Deus, para que os seus pensamentos também fossem purificados de todo pecado. Ore para que Deus lhe ajude a identificar quais tipos de pensamentos não tem glorificado a Ele e para lhe dar forças nessa luta. 

3. Avalie! Todo pensamento leva a uma ação. 
Colossenses 3.1-13 – O cristão é convocado a buscar as coisas do alto em detrimento de qualquer pensamento terreno. Às vezes, é difícil saber se o que estamos pensando pertence à categoria de coisas “do mundo” ou “de Deus”, mas o próprio texto traz alguns exemplos de coisas que não devem fazer parte de nossa vida como cristãos, contrastando-as com um coração cheio de compaixão, bondade , humildade e paciência. O interessante aqui é que estas características também são apresentadas ao lado de ações como suportar e perdoar (v.13). Ou seja, os pensamentos do cristão devem levá-lo a agir de forma que os homens vejam os atos do Senhor (v.13). Para saber se o meu pensamento é ou não “do alto”, eu posso avaliar se ele está me motivando a ações coerentes com o caráter de Cristo. Se meus pensamentos me estagnam em uma vida cômoda centrada em mim mesmo, ou até mesmo me incentivam a práticas pecaminosas, então certamente este pensamento não deve permear minha mente.

4. Filtre, passe pelo controle de qualidade 
2 Coríntios 10.5 e Filipenses 4.8 – O pensamento do cristão deve caminhar alinhado a uma doutrina pura. Se os meus pensamentos forem constantemente filtrados pela Palavra de Deus, essa será a minha arma para destruir qualquer raciocínio e arrogância que se erga contra o conhecimento de Deus. Mas para que isso aconteça, eu preciso levar todo o meu pensamento cativo para que obedeça a Cristo, a qualquer hora, sobre qualquer aspecto da vida. O versículo de Filipenses nos fornece os limites do lugar onde devemos deixar nossos pensamentos aprisionados. As fronteiras que devem condicionar o pensamento do cristão devem se caracterizar por pensamentos: respeitáveis, justos, puros, verdadeiros, amáveis, louváveis, virtuosos, de boa fama. Enquanto o meu pensamento se enquadrar dentro desses parâmetros, eu tenho liberdade para pensar neles. Tudo que não passar pelo filtro precisa ser descartado. 

Como começar a mudança? Unindo esses princípios a medidas práticas, exequíveis e mensuráveis! Invista tempo alimentando bem sua mente da sabedoria divina no seu tempo devocional; ocupe mais sua agenda com atividades edificantes; converse com cristãos maduros que possam te ajudar; decore versículos para rebater pensamentos (eu indicaria Fp. 4.8 para começar); faça uma lista de práticas que você sabe que instigam maus pensamentos e veja como evitar essas situações (certos tipos de programas e filmes, conversas com certas pessoas, horários de uso da internet, etc.). 

A luta para manter nossa mente bem equipada não é impossível quando temos o perdão de Deus e o poder transformador de Sua Palavra. Uma vida mental biblicamente sadia produz frutos em nossas vidas que edificam todos a nossa volta. Se persistirmos nessa caminhada, colheremos esses frutos e estaremos com a mente preparada, prontos para agir, com nossa esperança fixa na graça que nos será dada quando Jesus Cristo for revelado (1Pe 1.13)!