Uma fé implicante

Uma fé implicante
13 de fevereiro de 2015

17:00
INTRODUÇÃO 
Se você é um cristão, certamente alguma vez você já foi confrontado com que a seguinte questão: “Como posso confiar na Bíblia se ela foi escrita por homens e homens são falhos?”. Esta é uma questão referente à doutrina das Escrituras. Hoje começaremos uma série de estudos que tem como compromisso analisar a questão da autoria Bíblia. Ela é um livro meramente escrito por homens sem nada de divino ou um livro totalmente divino sem nenhuma interferência humana? 

A fim de chegarmos a uma resposta para a questão acima, hoje começamos uma série de estudos sobre a Origem das Escrituras. Nesta série observaremos o desenvolvimento desta doutrina ao longo da história da Igreja Cristã, através das posições dos grandes teólogos e dos principais movimentos teológicos do Cristianismo. Por fim, através da própria Bíblia, apresentaremos uma abordagem conciliadora entre ambas as opções, mostrando que a Bíblia é de fato um livro tanto humano quanto divino.

Para facilitar a organização e entendimento das posições adotadas pelos teólogos sobre a natureza da Bíblia, analisaremos o pensamento e posição dos mesmos dentro do período histórico em que cada um viveu. Hoje, começaremos vendo qual era a visão dos Pais da Igreja acerca da origem das Escrituras. 


OS PAIS DA IGREJA – Parte 1
Os pais da Igreja, ou pais apostólicos, foram os principais teólogos e líderes da igreja que sucederam os apóstolos e viveram antes do período da Idade Média e antes da Reforma Protestante. É interessante notar que os primeiros discípulos dos apóstolos já citavam os escritos que hoje conhecemos como Novo Testamento, e já os consideravam como livros dotados de autoridade especial e como sendo o local onde poderia ser encontrada a vontade de Deus para Sua igreja. 

Atenágoras (133-190), um apologista do segundo século, natural da cidade de Atenas, reconhece ambas as naturezas das Escrituras (divina e humana), quando escreve: “os profetas [...] falavam por virtude do Espírito Santo sobre Deus e sobre as realidades de Deus [...] O Espírito Santo movia a boca dos profetas como instrumentos [...] O Espírito Santo usava-os como um flautista que toca a sua flauta”1

Orígenes (185-253), bispo de Alexandria, no ano 200, atribui autoridade divina aos livros do Novo Testamento ao escrever na introdução de sua obra On first principles [Dos primeiros princípios] que as Escrituras, tanto as escritas pelos profetas hebreus quanto as escritas pelos apóstolos cristãos, foram escritas pelo próprio Espírito de Deus. 

Atanásio (296-373), bispo de Alexandria, em 367 d.C., ao escrever a 39ª Carta das Festividades, delimita o Novo Testamento como sendo composto por 27 livros (os mesmos 27 aceitos na Reforma Protestante e aceitos hoje pelos evangélicos) e os coloca em pé de igualdade com o Antigo Testamento, ou seja, livros de Deus. 

Dâmaso I, bispo de Roma, em 382 d.C. num sínodo de bispos que aconteceu na cidade de Roma, juntamente com os demais bispos presentes, reconhece oficialmente os 27 livros como sendo livros de origem divina2

Até aqui, vimos que os Pais da Igreja no séc. II e III já consideravam a Bíblia como um livro escrito por homens, mas sob a influência e autoridade de Deus por meio do Espírito Santo. No próximo artigo veremos o que Jerônimo, João Crisóstomo e Agostinho falaram acerca da origem das Escrituras. 
______________________________________

1. Instituto Diocesano da Formação Cristã. Patriarcado de Lisboa. Apostila de Inspiração Bíblica. Disponível em: <http://escoladeleigos.weebly.com/uploads/1/7/5/1/17517527/sta_aula_4_ctia_tuna_-_inspirao_bblica.pdf>. Acesso em: 02/06/2014. 
2. BRUCE, F. F. The New Testament Documents – Are They Reliable? Disponível em <http://conhecereis-a-verdade.blogspot.com.br/2011/10/o-canon-biiblico-foi-definido-no.html> Acesso em 24/05/2014.


Paolo é casado com a Amanda Freitas e tem duas filhas, a Nina e a Lana. Formado em Pastoral e Educação Cristã pelo Palavra da Vida e pelo Seminário Teológico Batista em São Paulo, cursando História da Teologia e fazendo Mestrado em Teologia.
paolofreitas@implicacoes.com

Comente com o Facebook: