TEOLOGIA

PARA O DIA-A-DIA

4 de janeiro de 2014

17:12
Dia após dia somos guiados ao próximo desejo ou vontade, que teimamos em rotular como necessidade. Esse bem termina por ocupar na mente espaço e tempo bem maiores do que deveria. Para ocultar o verdadeiro culpado, jogamos a responsabilidade no capitalismo, na geração imediatista ou até na conta bancária não tão ilimitada assim. 

Transformamos aquela conquista material ou até mesmo emocional em um ídolo latente, crendo na ilusória ideia de plenitude que será alcançada ao obter o sonhado. Como resultado, há uma inversão de papéis: A criatura tomando o lugar do Criador. Assim, tudo o que conseguimos pensar é na lista de pedidos para Deus, que nesse ciclo vicioso, torna-se obrigado a nos abençoar. Sou crente, "cumpro o meu papel". Portanto, TENHO que ter o melhor carro, emprego, etc... O tão propagado evangelho da prosperidade vai além dos programas de tv está muito mais arraigado do que imaginamos. 

Seremos mais felizes à medida que atribuirmos a fonte de insatisfação ao tão acalentado ego. Somente através de uma mudança diária cristocêntrica no coração é possível experimentar a verdadeira alegria que independe do ter ou estar - "Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças"- Filipenses 4.6

Isabella Franco em www.ceu-universitario.com.br